Entre pontos, vírgulas e travessões

Piadas e histórias infantis podem tornar o aprendizado da pontuação mais divertido e prazeroso

Juliana Lambert

Objetivos:
Incentivar o hábito e o prazer pela leitura

APromover o contato com diferentes gêneros literários
Criar um ambiente facilitador para a aprendizagem
Observar como os sinais de pontuação contribuem para a clareza do texto

Thinkstock

Para trabalhar o uso correto dos sinais de pontuação, um caminho interessante é explorar a linguagem oral. E nem é preciso ir muito longe para alcançar bons resultados. Segundo a professora Rafaela Cardoso Beleboni, responsável pela editoração do material didático de íngua portuguesa do Ensino Fundamental da Editora COC, existem metodologias atuais de ensino-aprendizagem que escapam do enfoque tradicional direcionado para a memorização.
"A tendência volta-se para o desenvolvimento da competência leitora e escritora dos mais variados gêneros discursivos presentes no contexto em que o aluno está inserido", comenta. Um desses gêneros é o humorístico curto, com as conhecidas piadas. Esses textos deixam as aulas mais dinâmicas e levam os alunos a formalizar as descobertas sobre as regrinhas de pontuação. As histórias infantis também levam dinamismo para essa aula.


Mas precisam ser bem contadas para deixar claro o uso da pontuação, como nos momentos de pausa, de questionamentos ou admiração dos personagens, na enumeração dos objetos, entre outros elementos. "Após explorar a entonação do texto e, ao mesmo tempo, buscar uma melhor compreensão do tema trabalhado, promovemos uma transposição para a linguagem escrita para registrar os sinais de pontuação", afirma Valéria Cristina Claudino de Bulhões, professora do Ensino Fundamental I do Colégio Nossa Senhora das Neves, em Natal, RN. Veja a seguir as atividades (imperdíveis!) que foram propostas pelas educadoras.


Gêneros humorísticos curtos (1º a 5º ano)


As atividades a seguir foram sugeridas pela professora Rafaela. A intenção é tornar as aulas mais dinâmicas com o estudo de gêneros humorísticos curtos. Para tanto, é necessário selecionar textos que contenham diálogos. Veja alguns exemplos abaixo.


Leitura e observação

1. Selecione piadas infantis que contenham diálogos.
2. Divida os alunos em duplas e distribua as piadas.


Exemplo: Papagaio bilíngue


O cliente entrou no pet shop e disse ao vendedor:
- Quero comprar um papagaio diferente.
- Temos um papagaio bilíngue.
Se você levantar a patinha direita, ele fala francês. Se levantar a patinha esquerda, fala inglês.
- E se eu levantar as duas patinhas?
O papagaio respondeu:
- Aí, eu caio!
3. Peça para os alunos identificarem o elemento que produz humor e observarem como os dois-pontos e o travessão contribuem para a clareza dos diálogos.
4. Registre as descobertas dos alunos e reforce a importância da pontuação.

 

Vamos pontuar?

1. Divida a turma em duplas e entregue piadas sem a pontuação original.
2. Proponha que pontuem devidamente os textos.
3. Promova a correção coletiva e mostre como os sinais de pontuação podem mudar o sentido dos textos.


Exemplos de piada:
Joãozinho estava observando sua mãe lavar a louça e perguntou ( )
( ) Por que você tem tantos cabelos brancos ( ) mamãe ( )
A mãe respondeu ( )
( ) Cada vez que você faz algo errado ou me deixa triste nasce um cabelo branco ( )
Joãozinho ficou pensando alguns instantes e disse ( )
( ) Mãe ( ) por que todos os cabelos da minha avó estão brancos ( )


Dica!
Para dificultar a atividade, proponha também um texto sem lacunas, para que a turma identifique o local exato para incluir os sinais de pontuação.

 



Festival de piadas
1. Com o auxílio da turma, organize um festival de piadas infantis.

2. Divida os alunos em grupos e sugira a produção dos textos.

3. Mostre para as crianças que o elemento humor é importante, mas que a pontuação é fundamental para a compreensão das piadas.

4. Promova a correção coletiva, eleja as melhores piadas do festival e estimule o registro.



Leitura em família (2º a 4º ano)


Esta atividade é aplicada pelo Colégio Nossa Senhora das Neves e visa incentivar o hábito e o prazer pela leitura. Valéria reforça a importância de estabelecer uma ligação entre o conteúdo que o aluno aprende em sala de aula e suas experiências externas. Ela acredita que a maioria dos trabalhos pode e deve ter continuidade em casa.
1. Solicite um exercício para ser feito em casa com a participação dos pais. Ambos terão de entrar em um acordo e escolher a mesma obra para ler.
2. A primeira leitura será feita n Thinkstock pela criança, que deverá ler em voz alta e usar a pontuação e a entonação adequadas.
3. Na sequência, a mesma história será contada pelos pais, para que posteriormente seja estabelecida uma comparação entre as leituras.
4. Após a atividade, pais e filhos deverão conversar sobre os personagens, acontecimentos e o lugar onde se passa a história.
5. Se possível, os pais deverão relacionar os textos lidos com situações do cotidiano.
6. Ao final, os alunos terão que registrar a atividade e justificar suas opiniões.