Teatro na escola

Conheça os benefícios que essa arte traz ao desenvolvimento dos alunos

Marina Telecki

Objetivos:
Mostrar a importância do teatro como recurso pedagógico e dar dicas para o professor montar peças com a turma no dia a dia


Foto ilustrativa, tirada no Colégio Dom Bosco, em

Considerada uma das ferramentas pedagógicas mais completas, a arte cênica exerce uma ampla influência sobre o desenvolvimento dos alunos, tanto se tratada como uma atividade extracurricular quanto se colocada como complementar a outras disciplinas. "Os alunos se divertem muito e tudo o que é diversão desperta interesse e facilita o aprendizado", garante Betina Rugna, psicóloga, arte-educadora e autora do livro Teatro em Sala de Aula (Editora Alaúde).
Segundo ela, o teatro está presente na vida dos alunos, sem que eles percebam.

"Representamos diversos papéis todos os dias desde muito cedo. Quando pequena, a criança brinca de faz de conta.
Ela é atriz, roteirista, figurinista, e essas funções nos acompanham pelo resto da vida. Assim, estudar e entender um assunto no jogo cênico é muito produtivo, pois usa a linguagem com a qual lidamos desde sempre", explica. Além de trabalhar, entre outros aspectos, o autoconhecimento, a socialização e a criatividade, o teatro também pode ajudar na descoberta de habilidades por parte dos alunos. "O teatro trabalha com representação, mas também com pintura, desenho, retrato, música, cores e formas. E, com a prática, cada aluno vai reconhecendo em qual área tem um melhor desempenho."
A seguir, Betina e outras feras no assunto explicam como e por que incluir essa arte na rotina escolar.


Dica de leitura!
Teatro em Sala de Aula
De Betina Rugna (Editora Alaúde, 168 páginas)
Teatro na Escola De Ruth Salles (Editora Fundação Peirópolis, 116 páginas)

Thinkstock

O individual
Um dos benefícios acumulados ao longo da prática do teatro é o autoconhecimento. "Representar algo que você não é esclarece para si quem você é. E é preciso pesquisar, estudar, ampliar o repertório e a forma de ver o mundo", comenta Marta Campos, coordenadora de comunicação da Escola Viva, em São Paulo. Giuliano Tierno, arte-educador e contador de histórias, também na capital paulista, concorda e acrescenta: "O teatro nos ajuda a aprimorar nossa relação com o próprio corpo, nos ajuda a reconhecer nossos limites, nossa expressividade e potências". Para realizar um trabalho de percepção do corpo com os alunos, você pode aplicar alguns jogos dramáticos. Eles são um bom aquecimento para futuras atuações teatrais.

Vende os olhos dos alunos e faça exercícios de respiração. Deixe que eles percebam os sons do próprio corpo. "Toda parte auditiva será trabalhada e usada no futuro", justifica Betina.

Proponha, com frequência, jogos de adivinhação com mímicas. Eles ajudam o aluno a tomar consciência do seu corpo para, através dele, transmitir mensagens ou conseguir se comunicar.




Dica esperta!
Antes de aplicar qualquer jogo dramático com a turma, vale se autoaplicar ou reunir os professores da escola para testar com você. Caso falte tempo, é interessante comentar com a turma que é a primeira vez que você está participando do jogo.

O coletivo
Além dos aspectos individuais, a arte cênica também trabalha a relação com o outro e pode influenciar o comportamento geral da turma, como a interação entre os alunos. "No teatro, pessoas que nunca se falaram passam a trabalhar juntas e estreitam relações", aponta Betina. Veja uma sugestão de atividade para que este conceito seja trabalhado com o grupo:

Jogo do choque elétrico: forme duas equipes, que se posicionam uma em cada lado do professor, formando uma meia-lua, com as mãos dadas partindo do professor. O professor aperta a palma da mão do primeiro aluno, que passa o "choque" até o último. Quando este sentir o "choque" deve dar um grito. O grupo que terminar primeiro, escolhe uma prenda para o outro grupo executar.

Thinkstock

A atuação do professor
O professor é uma peça-chave no envolvimento dos alunos com o teatro, afinal, dependendo da maneira como se ensina, pode-se aproximar os alunos ou afastá-los da arte. "O professor é o animador, é quem estimula, dá vontade. Ele pode ser aquele que só coordena, mas é importante que a vontade parta dele", resume Giuliano. É por meio desse estímulo que os alunos se motivam entre si e seguem no jogo dramático proposto. "É essencial também que o professor mostre que todos têm uma função a desempenhar", opina Betina. Além disso, o momento é valioso também para que ele conheça melhor a turma, saiba quem é quem na sala de aula e dê um apoio maior. "O professor deve estimular a criança retraída e dar espaço para aquela que sempre bagunça. No teatro há papéis para todos."

Teatro e outras disciplinas
"O princípio do teatro na escola é traduzir o conhecimento por meio do corpo", afirma Giuliano. Sendo assim, é possível relacionar o uso do teatro com o ensino de outras disciplinas, reforçando o conteúdo por meio da representação. "A ideia é propor jogos dramáticos em que os alunos encenem tópicos já abordados. Por exemplo, pode-se trabalhar a matemática ao montar uma venda com a turma. Os alunos montam barracas, definem quem compra, quem vende etc. Quando se fala em ciências, pode-se estudar a posição dos planetas", exemplifica Betina.



Monte sua peça!
Chegou a hora de colocar o trabalho em prática? Para que dê tudo certo, confira as dicas do arte-educador Jorge Brachedes dos Santos, do Centro Profissionalizante do Colégio Rio Branco da Fundação de Rotarianos de São Paulo.

Convide os alunos a participar e forme um grupo.
Realize de dois a três encontros por semana.
Busque na literatura textos, poemas e contos de fadas para a dramatização. Leve livros de autores com estilos variados para que os alunos percebam os tipos de texto, como tragédia, comédia, situações do cotidiano, mistério etc.
Estimule a participação de todos, mas não obrigue nenhum aluno a fazer nada. Aos poucos, cada um descobre seu limite de exposição.
Estimule o corpo por meio de um alongamento.
Faça exercícios de voz, como cantar cantigas populares e de roda.
Trabalhe a respiração com exercícios deinspiração e expiração.
Explore os planos baixo, médio e alto com brincadeiras em que todos tenham de engatinhar, agachar, andar curvado e, por fim, totalmente ereto.
No momento de escolher o texto final para a representação, opte por aqueles que transmitam uma mensagem de conscientização, que valorize as pessoas ou esteja relacionado a algum assunto atual, como o meio ambiente.
A cada fim de ensaio, faça uma avaliação dos resultado do dia. Vale fotografar ou filmar as encenações para que a turma veja, comente e perceba o que ainda pode ser melhorado para a apresentação final.

O figurino

O arte-educador Leonardo Polido, de São Paulo, criou uma coroa que você pode usar em muitos enredos. Confira.

Coroa

Materiais:

papel laminado dourado
cartolina
cola e cola quente
tiara
botões coloridos
tesoura

1. Recorte o molde numa cartolina colada no papel laminado dourado (para ele ter rigidez). Cole a coroa numa tiara.

2. Decore com os botões coloridos.