Disciplinas

Envie para um amigoImprimir

Matemática

A origem dos números

Como toda a criança questiona o porquê de quase tudo, explique que, para entender como os números surgiram, faz-se necessário recorrer à história da humanidade


 

Objetivos:
Demonstrar que, como qualquer ciência, a Matemática também se desenvolveu em paralelo com a evolução da humanidade.
Possibilitar o contato teórico inicial com os conceitos básicos do sistema de numeração, para facilitar a compreensão posterior das notações.

Faixa etária:
Crianças a partir do 1 º ano.

 

 

Foto: Arquivo 2D

 

 

Anote!
Todas as nossas ações estão condicionadas pelos números, pelas medidas e suas relações. A máquina que faz as nossas camisetas e, aquela que, antes dela, produziu o material com que foram confeccionadas por exemplo, resultaram de cálculos matemáticos precisos. O mesmo se pode dizer da cadeira, da mesa, do copo, da garrafa, da geladeira, da televisão, do celular etc. A maioria das coisas que o homem inventou tem como base cálculos numéricos.

 

 

Dica de leitura!

★Matemática em Minutos
Sharon MacDonald apresenta em seu livro uma envolvente e animadora introdução aos primeiros conceitos matemáticos para crianças com idades entre 4 e 8 anos. Cada capítulo começa com atividades fáceis e avança para as mais difíceis. Muitas delas têm a sugestão "aumente um nível" para quem gosta de desafios. Além disso, ele também traz uma série de dicas e ideias que beneficia o professor. Com 224 páginas, seu preço é R$ 44,00. Mais informações: Artmed Editora (www.artmed.com.br)

 

 

Para falar sobre a origem dos números, saliente que os homens primitivos não tinham necessidade de contar, pois tudo o que eles precisavam para a própria sobrevivência era retirado da natureza. Nesse tempo, sua vida ainda era nômade. Depois, ele se fixou na terra e começou a desenvolver uma série de atividades, como plantar, produzir alimentos, construir casas, domesticar animais etc. Em seguida, com o surgimento das primeiras formas de agricultura – que foram criadas há cerca de dez mil anos, na região que hoje é denominada Oriente Médio –, o homem sentiu necessidade de conhecer o tempo, as estações do ano e as fases da Lua. E, então, criou os primeiros calendários.

Em paralelo, para controlar o rebanho, também percebeu que precisava “contar”. Então, pela manhã, antes de soltar seus animais, ele estabelecia uma correspondência, na qual cada um equivalia a uma pedrinha que, por sua vez, era guardada em um saco. No fim do dia, quando os animais voltavam do pasto, era feita a correspondência inversa: para cada um deles, uma pedrinha era retirada do saco. Caso sobrassem pedrinhas, animais poderiam ter se perdido. Mas se houve mais animais, outra pedrinha era acrescida ao saco. É por isso que, quando queremos contar alguma coisa, dizemos que estamos fazendo um cálculo, palavra derivada do latim calculus, que significa pedrinha. Mas, além delas, os antigos também faziam marcas em ossos, pedaços de madeira, cavernas etc.

 

 

Representação numérica antiga
Bem depois, quando algumas civilizações (egípcia, babilônica etc.) começaram a escrever, a quantidade que deu origem aos números passou a ser anotada pela repetição de traços verticais:

 

 

Com o transcorrer dos séculos, a repetição de traços se tornou ineficiente e, finalmente, o sistema de numeração surgiu no Vale do Rio Indo – onde hoje é o Paquistão. O primeiro número inventado foi o 1 (um). Ele representava o homem e sua unicidade. O segundo foi o 2 (dois), que representava a mulher da família – a dualidade. Já o número 3 (três) significava muitos – a multidão. Na sequência, vieram os demais números.

 

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>

Receba sempre em primeira mão nossas novidades e conteúdo exclusivo.