Matemática

Sólidos geométricos

Apesar de serem observados em qualquer lugar, como a definição deles é um tanto abstrata, dificilmente as crianças relacionam sua existência a outros contextos

Objetivos:
Facilitar o estabelecimento da relação entre objetos do dia a dia e os sólidos geométricos.
Estimular a construção e a classificação de diferentes figuras tridimensionais.
Propiciar a compreensão das propriedades básicas dos sólidos geométricos.
Faixa etária:
Crianças a partir do 2º ano.

 

Fotos: Itaci Batista

 

Os objetos que nos rodeiam apresentam as mais diversas formas, ocupam um lugar no espaço e se mantêm imutáveis desde que não seja exercida nenhuma ação particular sobre eles. Quando chamados de sólidos geométricos, por definição, eles representam uma região do espaço que é delimitada por uma superfície fechada por um número finito de linhas, que formam faces que, por sua vez, ainda recebem o nome de polígonos. Além disso, enquanto alguns sólidos são limitados por superfícies planas (os poliedros), outros são por superfícies curvas ou por um misto de planas e curvas (os não poliedros). Bastante complicado, não é? Portanto, se até para os adultos transpor tais conceitos para algo concreto já é difícil, fazer a criançada entendêlos é praticamente impossível. Por isso, é necessário chamar a atenção delas para a existência dos sólidos geométricos, mas a partir de atividades lúdicas que, ao serem trabalhadas em sala de aula, levam-nas a compreender a teoria de forma mais natural.

 

Apresentação visual dos sólidos geométricos

1. Mostre alguns sólidos geométricos às crianças (como uma caixa, uma pirâmide ou um dado) e evidencie que eles, normalmente, têm três dimensões: altura, largura e comprimento. Em seguida, peça aos alunos que observem como a maioria dos objetos conhecidos é tridimensional: a própria sala de aula, o armário, o cesto de lixo, a lousa, entre outras formas disponíveis.

Fotos: Itaci Batista

2. Na sequência, considerando que os alunos estabelecem a compreensão na medida em que seu próprio pensamento cognitivo é colocado em ação, estimule-os a criar, a partir de recortes e colagens, alguns sólidos geométricos – há riscos para a execução dessa atividade no pôster. Dessa forma, ao manipularem as formas, eles assimilaram nomes, principais características e, então, também passarão a entender que tais corpos são formados por conjuntos de pontos, cujas posições relativas são invariáveis. Em consequência, dependendo do grau de habilidade de cada um, em mais ou menos tempo, estarão aptos a relacionar a geometria a outros contextos.

3. Em um segundo momento, além de expor modelos de sólidos geométricos, distribua varetas e massinha de modelar para que as crianças, com base na visualização e no aprendizado anterior, reproduzam figuras tridimensionais em grupo e debatam os porquês da colocação das varetas de determinada forma. Nesse momento, ouça os diferentes pontos de vista e esclareça as principais dúvidas em relação aos sólidos geométricos.

 

O porquê do ensino da temática
Fotos: Itaci Batista
De início, saiba que a criança que desenvolve bem o raciocínio geométrico, apresenta maior capacidade de antecipar soluções, prevê e, normalmente, planeja as resoluções. Por isso, na fase inicial, o trabalho deve explorar a modelagem de formas, a experimentação de muitas figuras e sólidos e a identificação de propriedades, sempre com o apoio no concreto que, gradativamente, deve ser tirado de cena.
Além disso, a temática deve ser trabalhada desde as séries iniciais do ensino fundamental, pois ela é primordial para o sucesso do aluno nas séries seguintes – principalmente, no momento em que se dá a introdução ao ensino da Geometria Analítica.
Com a construção dos sólidos geométricos, a criança ainda se torna apta a classificar e nomear as figuras espaciais existentes e, ao entender que qualquer um dos sólidos pode ser apresentado na forma de figura plana (denominada planificação), acaba por assimilar sua característica principal. Em consequência, também consegue demonstrar o número de vértices, arestas e faces da figura.
Por fim, é fundamental sempre lembrar que qualquer proposta relativa ao tema deve ir além da manipulação de sólidos e da observação de figuras, a fim de acabar de vez com a ruptura que existe entre a aprendizagem de representações planas e dos sólidos tridimensionais, como se ambos não estivessem presentes simultaneamente na vida dos alunos.

 

Dica de leitura!
Matemática Sem Mistérios – Geometria Plana e Espacial

O livro escrito por Antonio Carlos de Garcia e João Carlos Amarante Castilho é ideal para o professor planejar suas aulas, porque ele surgiu devido à necessidade premente de tratar a Matemática de uma forma mais simples. Como seu objetivo é o melhor entendimento e o acompanhamento do aluno, o tratamento dado ao seu conteúdo se apresenta na forma crescente, que parte do básico e, passo a passo, alcança os níveis mais complexos, porém sem o rigor e o formalismo matemático que usualmente é adotado nos demais livros. Com 224 páginas e preço médio de R$ 80,00. Mais informações: Editora Ciência Moderna (www.lcm.com.br).

 

Anote!

>>Os poliedros são figuras geométricas formadas por três elementos básicos: vértices, arestas e faces (respectivamente ilustrados) – tais como os cubos, as pirâmides, os prismas etc.

 

 

 

Já os não poliedros são figuras geométricas limitadas por superfícies curvas ou por superfícies planas e curvas, tais como os cones, os cilindros, as esferas etc.

 

Dica de leitura!
Gato Xadrez no jardim geométrico

Nosso amigo Gato Xadrez decide conhecer outro jardim, nada parecido com o seu. No jardim geométrico, tudo é tão diferente e novo para o Gato Xadrez... Será que ele vai gostar? E como serão seus novos amigos? Como se brinca em um lugar assim? Com muita cor e diversão, este livro apresenta conhecimento sobre as formas geométricas e as relações de curiosidade e descoberta presentes em toda criança.

Editora: Escala Educacional
Preço: R$ 21,90
Onde encontrar: escalaeducacional.com.br